domingo, 17 de abril de 2011

A máquina da vida

Qual será?

Tantos pontos soltos que me deixam relativamente fadigada de acalentar e colocar para dormir os meus anseios. Calma realmente é algo para os mais sábios? Ou ficar observando o pulo do gato seja a mais sensata “sabedoria”?... Calma remete à paciência... Observação... Ser perspicaz... Astúcia... Ingredientes que fazem o néctar cítrico e conciso do bom senso.
Confusão com os tantos parafusos “teco-tecos” da engrenagem; quantos amanhecer e entardecer presentes em apenas um segundo. Quantas marolas contidas em uma onda. Quantos sentidos para uma palavra; que deforma e ao mesmo tempo contorna os dias. Se alguém souber que cosa às aflições e dê refúgio a estas expressões soltas...
Aos caseados: nem distantes e perdidos. A validez e a força propulsora sempre seguem o caminho certo; mesmo que em ziguezague.
"Podemos acreditar que tudo que a vida nos oferecerá no futuro é repetir o que fizemos ontem e hoje. Mas, se prestarmos atenção, vamos nos dar conta de que nenhum dia é igual a outro. Cada manhã traz uma benção escondida; uma benção que só serve para esse dia e que não se pode guardar nem desaproveitar. Se não usamos este milagre hoje, ele vai se perder. Este milagre está nos detalhes do cotidiano; é preciso viver cada minuto porque ali encontramos a saída de nossas confusões, a alegria de nossos bons momentos, a pista correta para a decisão que tomaremos. Nunca podemos deixar que cada dia pareça igual ao anterior porque todos os dias são diferentes, porque estamos em constante processo de mudança." Paulo Coelho


Esperemos que a engrenagem se encontre nestes pequenos detalhes que nos são apresentados e que os valores das buscas sejam bem mais importantes que as respostas. Sadiamente podemos ter em mãos a virtude do clarão que ilumina a vida, com propriedade de amor e também de realização.
Etapas começam e terminam a todo instante.
É isso.
Mayrles Emille

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pesquisa personalizada